domingo, 20 de janeiro de 2019

Eu queria que meu peito me blindasse







Eu só queria não precisar te olhar por essas esquinas, nem quando estou com a cabeça no travesseiro e com a luz apagada às duas da manhã, não é pedir muito ter a paz de olhar pra frente e enxergar apenas a liberdade caminhando ao meu lado, eu sei que todo esse turbilhão de sentimentos parece explodir sobre a minha cabeça, mas eu preciso que você não frequente mais meus pensamentos nem minhas noites mal dormidas, eu não quero mais ter que sair correndo pro banheiro no meio do expediente ou da aula pra secar as lágrimas, não quero mais ser alvo de risinhos ou comentários que apenas me enfraquecem, não sei de onde mas essa tal força que muitos falam por ai precisa me surgir, os dias após dias não podem continuar sendo pra mim uma via crucis, eu sei o tamanho do sol que está por trás dessa cortina e dessa escuridão, eu sei que o mundo la fora é suficientemente grande pra me esmagar ou me reerguer, não é fácil mas algo aqui dentro me manda lutar pela segunda opção, tudo pode ser uma nova forma de renascimento, olhando para o céu vejo que a fórmula magica não despencará na minha frente, talvez essa fórmula mágica nem exista, ou então está bem diante de mim, composta de amanhaceres e entardeceres, que o tempo seja meu amuleto, meu mantra, que toda essa claridade dos dias bonitos de verão voltem a me fazer sentido, mas por hoje eu só queria que meu peito me blindasse todas as vezes que você insiste em me surgir.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial