Teu colo

Ainda lembro. A grama verde oferecia passagem. Lembro do balé das folhas junto ao vento. Do suicídio das flores quando você passou. Dizem que as flores são invejosas, e naquela noite, haviam perdido o reinado.

Apenas palavras

Carregar em si o peso das palavras nunca foi remédio para a escuridão na linguagem.

A madrugada mais longa

Não, não havíamos planejado nada. Não prometemos confidências. Não oferecemos o branco das nuvens. Apenas sorrisos como quem diz ser amanhã.

Quando

. Quando as luzes não mostrarem os atalhos Quando os livros recolherem suas letras Quando os segredos se tornarem cochichos Quando o riso virar castigo...

Falsas mágoas

Relacionamentos nos obrigam a tomar decisões.Sensatas ou abruptas, no calor do momento ou na serenidade do sofá. Seja pra decidir a poltrona do cinema ou o hiato devido a proposta de trabalho no exterior. O amor nos testa com seu aglomerado de decisões.

sábado, 28 de novembro de 2015

Como deixamos tudo isso acontecer?





Acho que a ficha só foi cair realmente quando você bateu a porta. 

Eu, apenas com uma mochila nas costas, me vi sem chão. Sem apoio. Sem rumo. E então todo um filme me passou pela cabeça. 

Como deixamos tudo isso acontecer?

Como transformamos todo aquele amor em uma relaçãozinha fajuta?

Como perdemos nossa intimidade de carícias?

Muitas perguntas. Nenhuma resposta. 

Éramos felizes, isso eu posso garantir. Cumplicidade era algo que nunca nos faltou. Você adorava me contar o seu dia, e eu  a ouvia com toda atenção. Nada forçado, era puro interesse em saber tudo sobre você. Até os mínimos detalhes. E havia reciprocidade. 

Em qual parte do caminho deixamos de nos interessar pela vida do outro? 

Nossos gostos são incrivelmente parecidos. Pearl Jam, Los Hermanos, Tarantino, Bukowski, Alan Poe, estrogonofe. Cerveja importada, praia no verão, serra no inverno. 

Fazíamos das coisas simples o pilar da relação. 

Por que tudo isso foi deixado pra trás?

Foram incontáveis vitórias contra esses obstáculos da vida. Trabalho, faculdade, provas, cursos nos finais de semana. Sempre que nossos horários nos desafiavam, dávamos um jeito de driblá-los e vencermos. Ainda que fosse um encontrozinho de dez minutos, já teria um valor enorme pra nós dois. 

Tempo resumia-se à eternidade quando repousávamos no peito do outro. 

Onde foi que abandonamos toda essa cumplicidade?

Amigos chegados a uma boa cerveja eu tenho aos montes, mas você sempre foi minha melhor parceira de copo. Não havia frescuras. Fosse em um bom pub ou em qualquer boteco de esquina. Voltávamos pra casa abraçados, depois um bom banho e o merecido descanso. 

E todos aqueles planos para o futuro? Já havíamos pensado em dois ou três amigos para serem nossos padrinhos. Recorda? Eu me simpatizo com uma cerimônia na praia. Você não abria mão da igreja. Gato ou cachorro? Casa ou apartamento?

Todas essas expectativas foram vividas ao teu lado. 

E agora, ao ouvir o barulho da chave trancando a porta, tudo isso se transforma em dolorosas lembranças. 

Nos perdemos pelo meio do caminho. Havia toda uma mistura de sentimentos em nossos olhos marejados.

Será que daqui a algum tempo encontraremos as respostas?

Será que um dia conversaremos sobre tudo isso?

Será que quando as emoções estagnarem, conseguiremos entender nossos palavrões e nossas frases impensadas?

Ao bater o portão do seu prédio, torci pra que você estivesse me olhando pela janela. Não virei pra trás. Mas torci.  






Comentários

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Tô gostando de você





Sabe, tô gostando de você.

Gostando de verdade mesmo. Não como gosto de dormir ou de comprar sapatos. É diferente, é algo muito maior, entende?

Pode parecer ridículo, mas até pouco tempo atrás eu não entenderia.

Confesso que tudo é muito novo pra mim. Não num sentido ruim, muito pelo contrário. É tão bom que chega a assustar.

Muitas definições já li sobre o amor, mas nenhuma se enquadrou naquela que eu realmente sentia aqui dentro: o amor dá medo.

Encontrar uma pessoa que mexa com todos os seus sentidos, que faça nascer em ti os sentimentos mais bonitos, que te ensine a despertar os mais primitivos instintos. Tudo isso é tão sublime a ponto de espantar.

Mas é tudo de uma maneira muito gostosa, entende? É um medo que me faz apostar todas as fichas. Afinal, tenho você junto de mim pra dividir essa experiência.

Sabe quando você está numa roda de amigas e a conversa acaba indo pra um assunto de que você nada entende? Sorrisos sem graça, tímidos e envergonhados. E toda uma vontade de sair correndo dali. É o que acontecia comigo quando as meninas puxavam papo sobre relacionamentos.

Eu precisava experimentar esse outro lado, sabe?

E hoje, graças a você, muito eu já entendo.

É bom saber que tenho a ti. É bom saber que tenho a quem contar meus medos, minhas aflições, meus sustos. E claro, partilhar as coisas boas também, os sorrisos, os momentos a sós, aquelas coisinhas simples da vida.

Você me fez descobrir que o amor é uma partilha.

Me fez entender que tudo aquilo que eu definia como liberdade, na verdade é muito mais livre quando estou nos teus braços. Me ensinou todo o arrepio que um beijo demorado e verdadeiro pode causar. Me mostrou o poder quase fatal de um carinho na nuca.

Ah, essa vida... quantas surpresas nos esconde, né?

Quando eu iria imaginar que todas as minhas barreiras seriam quebradas apenas com a sua leve presença? Que suas piadas me fariam gargalhar até chorar? Que seu colo seria o melhor endereço desse planeta?

A cada dia você tem me ensinado mais. Juro que não imaginava aprender tanto em tão pouco tempo. E espero estar te transmitindo coisas boas também. Essas sensações não são das mais fáceis de perceber, concorda? Quando começamos a notar, já estamos completamente tomados, e talvez aí é que more todo esse segredo.

E comigo tem sido assim. A sensação de estar descobrindo tudo isso ao seu lado me conforta e me faz feliz.

Olha, se isso tudo, com toda a certeza que eu tenho, for amor, uma coisa eu te confesso: me faz um bem danado. E tem sido tão bom assim...

Até me fez lembrar aquela musica do Jota Quest. "Se isso não é amor, o que mais pode ser?"

Sei que é continuação da música, mas essa parte eu tomo pra mim: tô aprendendo também.

É bom pensar em nós dois. É tão gostoso imaginar um futuro ao seu lado, mas somos tão novos pra isso, né? Tanta vida pela frente... É, acho que o segredo é deixar as coisas acontecerem. Afinal, pra quê se preocupar com o futuro se você é o meu melhor presente?





Comentários

Você é a minha maneira mais sincera de sorrir





"Eu sou sua menina, viu? Ele é o meu rapaz”.

Buarqueei algumas melodias e versos quando te vi dormindo ao meu lado, mão na minha coxa, cabelo jogado no rosto, encolhido e esboçando um certo frio, então cobri você com o lençol e com o meu corpo. E te admirei.

É gostoso te observar enquanto dorme. Você ali, completamente indefeso, e eu penso ter a mais nobre de todas as missões, a de proteger você de qualquer mal que queira se aproximar da nossa cama. Protejo-te também dos pesadelos, não há sonho ruim se estivermos juntos, concorda? Nossa cama é nosso templo, nossos corpos são testemunhas de que sempre somos verdade um pro outro. Coisas do amor, meu bem.

Gosto dessa sua mania de me abraçar por trás quando menos espero e de ficar roçando a barba no meu rosto. E de uma maneira quase que egoística, todas as dúvidas desse mundo passam a ter explicação. Meu amor, que dom é esse de me decifrar por completa com apenas um abraço por trás? Quais encantamentos essa barba por fazer pode desvendar? Ah, quer saber, não me explica nada não, o amor não exige explicações, o amor é a certeza do inexplicável, e se não há palavras pra definir, há toda uma cumplicidade em volta de nós dois. Teu silêncio por trás de mim é minha bíblia, minha verdade mais bonita, o divisor-de-águas dos caminhos que me apontam aonde seguir.

Você é a minha maneira mais sincera de sorrir. É meus olhos tomados de honestidade. Você sou eu deitada numa rede num domingo de mormaço, um canto de pássaro, um mate gelado e um bom livro. É toda a paz que possa haver dentro de mim. Tudo aquilo que entendo acerca do amor paira sobre você, sabia? Não há verdade maior do que nós dois rindo e implicando um com o outro, afinal gostamos de transformar esses momentos triviais em felicidade plena, não é? Talvez aí esteja todo o segredo, descobrir que cada momento ao lado de ti reflete em mim a mais sincera felicidade.

Ah, meu amor, se quiser pode me chamar de sonhadora, mas é que enxergo em ti tudo que há de imortal. Sei que somos noite quando desejamos nos cobrir de estrelas, e uma boa escuridão sempre nos caiu bem, concorda? Uma coisa é muito certa: sabemos nos aproveitar. Nos amamos de forma inteira, de forma verdadeira, e nada nesse mundo temos a dever ou temer. Engraçado, é nesse momento que a vida faz sentido, e acredite, ainda dizem por aí que descobrir o sentido da vida é um dos maiores mistérios da humanidade. Tolos! Querem descobrir? Pois perguntem pra nós dois. Mas isso é um segredo nosso. Vamos continuar rindo disso tudo? Vamos? Apenas você e eu. A sós. À nossa maneira. Mas deixa esse papo pra depois. Já reparou na lua? Hoje a noite está especialmente gostosa. Esquece de tudo e me beija.





Comentários

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Prometo te fazer a pessoa mais feliz desse mundo





Amor meu, tem um tempinho pra nós dois? Uma conversinha rápida, juro. Não se preocupe, não é nenhuma notícia ruim, não precisa me olhar com esses olhos arregalados não. Só queria aproveitar que estamos aqui, um de frente para o outro e às voltas desse mundo imenso e assustador que nos aguarda, pra te dizer algumas coisinhas. 

Prometo sempre ser eu mesmo. Acha meio louco ou abstrato isso, né? Entendo. Vou te explicar: prometo, aos pouquinhos, mostrar pra você minhas qualidades. Se possível, todas. Mas prometo também não esconder meus defeitos, que, talvez, superem minhas virtudes. Porém, saiba que prometo a cada dia ser melhor em alguma coisa. Por mim e por você. Ok, acho que mais por você que por mim. É que tanto ouço falar por aí no "amor perfeito",  e sei lá se alguém é capaz de viver nesse mundo de maravilhas, se alguém consegue, que bom, fato é que ser humano é ser passível de falhas e eu não passo de um humanozinho desses qualquer, que enxerga nas imperfeições de um amor a forma mais perfeita de defini-lo. 

Prometo fugir dos clichês. Abaixar a tampa da privada ou tirar a toalha molhada de cima da cama? Sai dessa. Vou além. Prometo dividir as tarefas domésticas. Ser um ótimo cozinheiro, embora meus dotes culinários não ultrapassem o clássico arroz com feijão e bife. Prometo, na segunda de manhãzinha, me matricular no melhor curso de culinária dessa cidade e fazer uma surpresa pra você, algo parecido com um daqueles pratos franceses de nome complicado mas capaz de dar inveja a qualquer vencedor do Master Chef. Prometo cuidar do nosso jardim. Prometo varrer as folhas que caem da árvore do vizinho sobre o nosso quintal, embora eu enxergue algo de poético nisso, e você acha graça e me chama de sonhador. É, talvez eu seja. Prometo também plantar dois ou três girassóis em meio às suas violetas, acho que ficaria bonito, não?  

Prometo ler pra você. Rubem Braga, Veríssimo e Caio Fernando. E alguns outros. Prometo declamar versos de Vinícius, de Drummond e de Leminski. E prometo, no meio de todos esses inalcançáveis poetas, versar a ti alguns poeminhas de minha autoria, e dizer que foi escrito por Mário Quintana e olhar sua reação. Depois ouvir você dizer: "Ah, só Quintana mesmo pra escrever essas coisas..." E só aí contar a verdade, que foi escrito por mim numa dessas tardes chuvosas de domingo, enquanto pensava em você com aquele seu vestido de flores, sorrindo pra mim de forma displicente mas muito verdadeira. Divertido seria testemunhar suas bochechas ficando rosa de vergonha, aquela ajeitadinha tímida no cabelo e o elogio mais feminino impossível: "bobo". Ou seja, entenda-se: "Casa comigo amanhã pela tardinha?"

Prometo te abraçar. Abraçar muito. Demais da conta. Abraçar até o limite. Ou além. Prometo te abraçar quando você sentir frio, mas não pela obviedade de aquecê-la, e sim pela certeza de sermos apenas um quando juntos. Eu sou você e você sou eu, entende? Prometo te abraçar na fila do pão, no táxi, no passeio pela praça, na loja de sapatos, na lotérica ou em qualquer outro lugar banal como esses, afinal o amor é mais lúdico nas banalidades. Prometo te abraçar quando estivermos sozinhos, de testemunhas apenas um céu estrelado e uma lua cheia, de preferência numa praia deserta em Fiji, já pensou? Mas se não puder, que seja aqui pelo Rio de Janeiro mesmo, felicidade não calcula-se por quilômetros, felicidade é você e eu abraçados em qualquer lugar que decidirmos chamar de "nosso paraíso".

Prometo risadas. Incontáveis risadas. Algumas mais contidas, outras sem medir a voz. Prometo rir do seu pijama de vaquinha. Prometo rir do seu chinelo 34 e te chamar de "minha pequena" logo em seguida. Prometo rir só por implicância mesmo, pra que você venha me dando aqueles seus soquinhos incapazes de machucar até mesmo uma borboleta, e eu revide com um beijo longo e transbordado de sentimentos. Prometo sorrir quando você me disser coisas bonitas. Prometo também um sorriso amigo num momento difícil. Prometo, acima de tudo, sorrisos eternos quando percebermos que decidimos proteger pra sempre um ao outro. 



Crônica publicada no site Superela


Comentários 

← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial