Teu colo

Ainda lembro. A grama verde oferecia passagem. Lembro do balé das folhas junto ao vento. Do suicídio das flores quando você passou. Dizem que as flores são invejosas, e naquela noite, haviam perdido o reinado.

Apenas palavras

Carregar em si o peso das palavras nunca foi remédio para a escuridão na linguagem.

A madrugada mais longa

Não, não havíamos planejado nada. Não prometemos confidências. Não oferecemos o branco das nuvens. Apenas sorrisos como quem diz ser amanhã.

Quando

. Quando as luzes não mostrarem os atalhos Quando os livros recolherem suas letras Quando os segredos se tornarem cochichos Quando o riso virar castigo...

Falsas mágoas

Relacionamentos nos obrigam a tomar decisões.Sensatas ou abruptas, no calor do momento ou na serenidade do sofá. Seja pra decidir a poltrona do cinema ou o hiato devido a proposta de trabalho no exterior. O amor nos testa com seu aglomerado de decisões.

sábado, 30 de novembro de 2013

Mundo


 
 
Pararam o mundo.
Desci.
Não demorou um segundo
Senti saudade de ti.

Eu vi que o meu próprio mundo
Não era mundo pra mim.
Era vazio e escuro
E eu me sentia assim.

Ah, doce mundo que deixei
Ainda que te escorra sangue
Tua água me limpe e me banhe
Nos caminhos que ainda hei.

Volta, mundo.
Me aceite de volta
E dê mais tantas voltas
Volte por onde eu não sei.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O poeta





O poeta
é o médico da família.
Pra quê jaleco e remédio
Quando se tem poesia?

O poeta
cura com sabedoria.
Três doses de amor
e um cadinho de alegria.

O poeta
(e ainda que você ria)
receitará: por precaução
poesia todo dia!
← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial