sábado, 26 de maio de 2012

Do sorriso das mulheres





Como escreveu Drummond, certa feita, em um de seus infindáveis momentos de inspiração: "É próprio da mulher o sorriso que nada promete e tudo permite imaginar."

Bravo, poeta.

Tem coisa melhor que receber de uma mulher um sorriso repleto de afeto?

Se houver, que não me contem.

A mulher sorrindo, a vida me pedindo colo.

A mulher sorrindo, e o sol não querendo ceder o lugar à noite.

Ah, a mulher sorrindo...

Elas e seus enigmas da boca, discípulas de Monalisa, não distribuem sorrisos ao léu. Sorriso de mulher é certeiro, atiradoras-de-elite de mãos cheias.

Procuramos o pergaminho dos seus sorrisos. A mulher guarda o sorriso porque nele contem verdades. Porque nele contem amor.

Sussurrar no pé do ouvido e ganhar um sorriso como premiação. Um sorriso desmedido, avultado, todo contido de carinhos.

Resistir. quem consegue?

Mulher sorrindo é um convite para o amor.

É percorrer os lábios que se mostram da maneira mais bonita.

Às vezes sorriem pra esconder segredos, nos obrigando a peneirar resposta. Tarefa mais prazerosa não há.

E aqueles sorrisos escapulidos, quando sozinhas nas ruas?

Um sorriso tímido, envergonhado, lembrança de algo muito agradável que viera à tona, decerto.

Sorrindo sozinhas nas ruas, que lindo, tão afável e tão carinhoso, tão feminino.

É no sorriso que a mulher se despe. É o striptease dos dentes, a lascívia dos lábios. A mulher sorri também pra se entregar.

Lindas quando sorriem com os olhos.

Lindas quando sorriem com todo o corpo.

Lindas por sorrirem de puro amor. 










Comentários

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial