sábado, 25 de dezembro de 2010

As cartas que ainda aguardo





Quando criança, queria ser carteiro.

Admirava a profissão daquele simpático sujeito de calça e boné azuis, camisa amarela, que chegava montado em sua bicicleta Barraforte. Não sei por quê. E Talvez nem haja motivo. Puro despropósito de criança.

Já maior, busquei os motivos pra tal contemplação. A resposta veio de forma taxativa: carteiro é uma profissão mística. É o nosso último elo de esperança.
 
O carteiro fascina-me por sua nobre missão. Intercede-me. Tenho vontade de ser chamado por nome pelo carteiro, anunciando, feliz, minha tão esperada mensagem. Devia ser convidado a ocupar lugar à mesa. Ser membro da família. O carteiro traz nossas intimidades com discrição de eunuco. Todo carteiro deveria ser tratado tal como Mario por Pablo Neruda, em "O carteiro e o poeta", relação de mais pura amizade. Neruda contribuía à época de um romantismo inerente à profissão dos carteiros, que desgraçadamente vem apagando-se.  


Talvez eu sinta saudade de épocas que não vivenciei. Olho pra trás com o saudosismo de quem apela por regresso. 

Quando verifico minha caixa de correio, espero algo além das contas de banco e boletos de pagamento, de propaganda de supermercado e anúncio de Tevê à cabo. Aguardo a solidez de uma mensagem de afeto vinda de milhares de quilômetros, explicitando  as letras tortas de quem tremia ao escrever, tamanha saudade. Aguardo o desabafo de quem abnega-se do teclado e, de próprio punho, redige cartas de amor. Perfumadas, inclusive. Ou de ódio, que seja. Porque ódio é o feriado do amor. Uma hora acaba. 

Não desejo que minhas lembranças sejam apagadas toda vez que eu trocar de celular. Não me surpreendo com a artificialidade de mensagens eletronicamente enfeitadas. Prefiro a verdade de quem se entrega em cada palavra. Descosturo qualquer invenção moderna pra não atar-me às velharias dos dias atuais. Enxergo a importância e a necessidade de reviver, diariamente, tudo que foi deixado pra trás.
.
Ainda acredito em carteiros. 






Comentários

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial