quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Bolsa de mulher







A bolsa de uma mulher é uma das maiores interrogações da humanidade.

Parece que nela elas carregam todos os seus segredos. Dos mais simples aos mais arrebatadores. Não à toa elas a mantém distante dos homens, algumas até com chave e código.

Vamos pelos mais "básicos": Espelho (sempre um espelho), batom, kit maquiagem, cosméticos... e eu achando que carregar RG e CPF já seria passar da conta. Mas pra elas, não. Nada é exagero quando se trata de vaidade, mas aquela vaidade de pura alma, aquele golpe que elas costumam dar com um simples retoque.

Algumas carregam suas agendas, seus diários, seus celulares. Levam um pouco de sua intimidade, e a bolsa passa a ser um oráculo de bico calado. Carregam consigo a foto de seus amores, sejam namorados, filhos, pais, cachorro... porque na primeira esquina a mulher já sente falta, e não deixa passar em branco como os homens, machos e viris, mas tão carentes quanto. Nenhuma mulher deixa seu baú de emoções em casa.

Tenho vontade de suborná-las para um mero espio, um olhar pela fechadura, coisinha boba, mas ainda não descobri tão valiosa moeda de troca. Quero ser o primeiro homem a ter acesso a esse universo criado apenas para elas. Quero descobrir os segredos e me tornar mais super-homem que o Clark Kent. Quero ser imune a criptonitas e a mensagens não respondidas. Mergulhar nesse pitoresco objeto e me afogar por todos os seus caminhos.

Mas se não tiver jeito, que eu parta para o crime. Terei aval. Por boa causa.

Quero ser ladrão de suas bolsas. Quero furtar e ver se encontro tudo aquilo que ainda não reparei se ali carregam. Quero achar todas as suas manias. Quero ver um abraço apertado, escondido debaixo daquele par de brincos, lá no fundo. Quero catucar até encontrar o segredo de todo o seu indecifrável e escancarado charme nos gestos mais triviais. Quero fazer uma bagunça, revirar até achar todo aquele olhar de lua cheia que banha minhas noites de sono e de sonhos. Quero ser capaz de localizar todos os atalhos do seu mais belo sorriso. Achar o caminho mais curto para aquele beijo com a complacência e a emoção de quem aguardava há tempos. Quero achar a chave e ouvi-la dizer que uma vida inteira ainda é muito pouco pra nós dois.

Porque não me interessa metade quando posso ser pleno.

Quero ser abusado, vasculhar de ponta a ponta e descobrir todos os atalhos. Quero ser o Sherlock Holmes de suas confidências. Encolher e adentrar como um suspiro em suas intimidades, para assim descobrir que dentro da bolsa de uma mulher não há desejo de se esconder, e sim vontade de se entregar. 







Comentários

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial