terça-feira, 6 de julho de 2010

A mulher do meu sonho




 Sonhos são presentes de Deus. Há quem diga ser o primeiro passo pra atingirmos nossos objetivos, e eu assino embaixo. As grandes revelações do nosso subconsciente, as utopias mais bonitas. Foi numa dessas madrugadas que ela surgiu pra mim.

Sonhar com a musa feminina é coisa banal. Eu seria clichê. Meu sonho seguia outra linha, afinal não se tratava de uma qualquer, se tratava dela, a mulher dos meus sonhos, perfeição em forma humana, interna e externamente.

Acordei com uma sensação diferente, e apenas o travesseiro foi testemunha. Era alegria seguida de um vazio. Relutei, mas em vão. Demorei pra admitir a mim mesmo, mas era evidente que a mulher dos meus sonhos não saía mais da minha cabeça.

Não havia um lugarzinho mais fácil pra conhecer alguém assim, do que no meu subconsciente? Mas como não sou de fugir da raia, resolvi dar início à minha saga em busca dessa onírica deusa. Dei-me o direito de desenhá-la conforme bem entendi: ela seria inteligente, mas não metida a esperta. Apreciaria bons filmes, mas saberia exatamente o momento de assistirmos a um romance piegas. Iria gostar de frequentar bons restaurantes, mas não abriria mão de um bom churrasco com os amigos no domingo. Tomaria cerveja naquele boteco da esquina sem problema algum, e diria que, na minha presença, qualquer lugar se tornaria o mais luxuoso palácio. Apreciaria os meus textos, e não sentiria ciúmes das mulheres neles citadas, pois seria conhecedora de seus encantos. Gostaria de casar e ter filhos, mas não agora. Se chorasse, faria o mundo estremecer. Se sorrisse, estremeceria em dobro.

Resolvi procurar em cada rua, esquina, padaria, açougue, locadora, sinal de trânsito e aplicativos de relacionamentos. Procurei em cinemas, boates, cemitérios, motéis, no fundo do mar, na lua, em Vênus, Marte e Júpiter. Anunciei em jornais, outdoors, estampei seu rosto em cada revista, ofereci recompensa. Mas nada. Nem sinal, nem vestígio, nem fagulha. Por que a mulher do meu sonho não queria se mostrar pra mim? Mas veja só, ela invade a minha noite de sono, vira a minha vida ao avesso e me faz procurar por alguém que só existe quando estou em outro plano, e pelo que parece, acha isso extremamente normal. Logo comigo, que sempre achei que se esconder fosse a pior opção.


Talvez a mulher do meu sonho não seja tão perfeita assim. Aliás, será que até a mulher dos meus sonhos seria tão perfeita assim?

A verdade é que o nome disso não é amor. Fiz dela a mulher dos meus sonhos, poderia percorrer o universo inteiro, mesmo assim não a encontraria. Ninguém é dotado do poder de construir amor. Amor de verdade é explícito, escancarado, sem vergonha, sem escuridão, sem esconde-esconde. Quem tem amor se mostra, quem não tem, inventa, torna-se esquizofrênico por opção, alude ao sonhos, constrói quimeras.

Foi aí que, em vez de procurar a mulher dos meus sonhos, permiti ser encontrado pela mulher da minha vida.






Comentários

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial